segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

O lobo atrás do espelho


“Adão sabia do belo tédio
Que teria pela frente.
Foi logo fazendo dois filhos...
Um assassino e outro inocente.
Deus aplaudia a própria tragédia
Pensando que fosse comédia.”

Abel Terra

Lobo é um assassino profissional, um justiceiro que pune aqueles que foram negligenciados pela justiça em suas más-ações. Enquanto monta uma narrativa repleta de mistério, comédia e tragédia, o autor Fausto Wolf apresenta o passado de uma família marcada por contradições e acasos em uma história de amor, ciúme, crime e ódio que nos leva ao passado de lobo e a sua real identidade.
O primeiro é Jamal, o ponto inicial da história da família Man quando rouba uma princesa cigana, Parthênia por quem se apaixonara e foge para o Brasil, fundando paraíso. De seu casamento nasce Cosmo, e há ainda Abel, filho bastardo bom e digno que concebe com Eva, esposa de Adão, seu melhor amigo e Capataz. Cosmo, por sua vez, se casa com outra princesa cigana e acaba contraindo a divida de Jamal para com os Deuses. Do casamento de Cosmo e Helena nasce Antônio e Caio, e quando a felicidade se encontra no auge, surgem as fúrias no paraíso, pois como devaneia Cosmo “Não há felicidade perfeita, pois sempre haverá o medo de perdê-la.”
Com personagens repletos de lirismo, uma história trágica e cômica e seguindo-se desígnios desconhecidos, onde os deuses parecem rir dos homens montando armadilhas inesperadas.
Da primeira guerra ao nazismo. Da reforma agrária e o comunismo. O sonho de justiça plena, a prostituição, corrupção e tantos males, Fausto monta a história dentro de um cenário já conhecido e muitas vezes não admitido pela sociedade. Com conflitos que assolam a humanidade, e a alma do próprio homem.
Lobo, o herói anti-herói nos faz pensar sobre até onde vai nosso poder da justiça pelas próprias mãos. Ao falar sobre personagem, Luiz Horácio define a contradição do personagem ao dizer que “num mundo por demais humano, e consequentemente, por demais injusto convivem diversas formas de justiça. O sonho de justiça social, e a justiça justificada do assassino improvável. Dessa maneira, não são permitidos heróis e o ESPELHO reflete nossa intranqüilidade, pois supostos justiceiros, se fogem a tradição moralista, padecem das nossas mesmas contradições.” Assim, se mostra o risco presente de ao tentar combater, acabar se tornando aquilo que se quer dizimar, pois um homem com o poder de decidir o destino das pessoas, e sua morte, continua ainda assim sendo um homem.
O lobo através do espelho a refletir o que trazemos em nós nos leva a seguir a intuição através de pistas dentro do passado que montam um enredo tão real quanto a história da humanidade.
Lorem Krsna

“Se alguém tivesse pena de me ver velho, bêbado, sujo e fedendo. Se alguém tivesse pena e me desse um banho, lar, carinho e dinheiro. Se alguém me levantasse ao ponto de eu, mesmo sem olhos, pudesse me ver no espelho como já fui uma vez, não adiantaria nada. Restaria a memória.”
Adão Terra

sábado, 28 de janeiro de 2012

Pára-quedas



Por mais que seja difícil, é melhor repousar a cabeça no travesseiro com uma verdade dura do quê com uma mentira compensadora. Afinal, as ilusões nos levam ao alto do que almejamos, porém não disponibiliza o pára-quedas.

Lorem Krsna


terça-feira, 24 de janeiro de 2012

A batalha do apocalipse


A primeira vez que vi esse livro na livraria, tive a impressão de ver uma porção de fogos de artifício ao redor. (rsrs) Então foi uma grande alegria ganhá-lo de presente, e poder lê-lo nas férias.

Eis um pouco da história:
Ablon é um anjo renegado que desafiou a autoridade dos Arcanjos ao ficar ao lado da humanidade, liderando uma insurreição de 18 anjos que foram expurgados do céu e obrigados a vagar na terra como humanos, sendo perseguidos pelos celestes e pelos caídos ao mando de Miguel e Lúcifer respectivamente.
Ao longo de milênios enquanto nos é apresentada a história humana e celeste em torno de lugares e situações místicas e históricas vemos Ablon lutando por seus ideais e para sobreviver, ao lado da feiticeira humana Shamira, amiga fiel e grande amor do guerreiro, para que no fim ele seja o ultimo dos renegados, com todos os seus amigos mortos e se vendo na ultima batalha do apocalipse que decidirá o destino dos anjos e de toda a humanidade.
Mais que uma história de guerra com batalhas épicas que não deixam nada a desejar, é um enredo sobre a ambição, o amor, onde nada é o que parece e sobre um ideal de justiça através de personagens tão celestes e ao mesmo tempo tão humanos em seus defeitos e necessidades.
Eduardo Spohr, o autor do livro, teceu com maestria o enredo, através de descrições tão fieis de lugares e situações que fica impossível não visualizar com emoção cada detalhe. Desde a grande Babilônia à Atlântida, dos desertos áridos à muralha da China. Cidades históricas, místicas que povoam os pensamentos e onde o herói e heroína vagueiam como guardadores da memória de uma humanidade que a muito foi esquecida. E o mais legal? Spohr é brasileiro, tecendo um tipo de história que não pode ser classificada, e dificilmente comparada a qualquer uma na literatura do país. Filho de um piloto e uma aeromoça, ele viajou por várias partes do mundo, tirando desta experiência muito de seu conhecimento para tecer cenários tão incríveis e reais.
Aventura, batalhas de tirar o fôlego, situações de perigo, ação, angustia e orgulho, o Guerreiro renegado que anda a sombra da humanidade a espera de seu momento na grande batalha nos leva a repensar valores sobre a amizade e a luta por justiça, desafiando o destino que tantos dizem irrevogável e escrito defendendo uma humanidade que ele vê aos poucos esquecer quem são sem perder a fé no que ela pode ser, pois como diz o próprio anjo renegado “É na alma que reside a capacidade dos homens de guiar seu destino e comandar a vontade”
Afinal, carregamos dentro de nós o brio de Deus! =)
Apesar das situações empregadas no livro, ele não é um material de pregação, mas uma história sobre justiça e lealdade. Lealdade empregada de forma bem viva, em especial por alguns personagens como Flor do leste e o anjo Aziel, chama sagrada. De sacrifícios por causas justas, como os renegados e Siême, a Serafim que se sacrifica pelos amigos e pela causa. Enfim, uma história para não largar mais.

Lorem Krsna

Frases favoritas do livro

“Não é mais importante quem fomos, e sim o que somos e o que seremos. Todos temos os nossos pecados. Alguns já pagaram por eles, outros não, mas o que importa? Cedo ou tarde, todos terão que enfrentar a sentença. E não nos cabe julgá-los. A nós, cabe apenas fazer o que achamos certo. Assim garantiremos nossa redenção.”  Órion, fundador de Atlântida e anjo caído que foi enganado por Lúcifer. Um dos grandes amigos de Ablon

“Mesmo que os homens tenham degradado o mundo, continuaremos a louvar a criação. Somos anjos, e esse é o nosso dever. Até que o sol se apague e o brilho das estrelas feneça, até o ultimo fulgor do universo.” Siême, mulher-anjo serafim que auxiliou Aziel e Ablon.

“Todos nós aspiramos ao inalcançável, e essa angústia é a centelha que acende o calor da existência. Quando todas as questões são respondidas, perde-se também o estimulo da vida” Arcanjo Miguel

“O poder de Deus reside no amor incondicional. Quando amamos verdadeiramente alcançamos o divino.” Arcanjo Miguel

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Amizade e respeito


"Amigo é aquele que sabe tudo a seu respeito e, mesmo assim, ainda gosta de você."
Kim Hubbard
É muito fácil ser amigo por nossas qualidades, difícil é manter a amizade mesmo com os defeitos que se tornam cada vez mais evidentes com a convivência. Ser amigo é respeitar as diferenças, de interesses e opiniões. É aceitar que as pessoas que você gosta tem defeitos, e vão te magoar, seja com uma verdade dura ou uma mentira compensadora.Manter uma amizade, é afinal, aprender a duras penas a perdoar defeitos e erros, e assumir os seus. E a ficar ao lado de quem lhe é caro e importante, seja para dar uma palavra de apoio, um conselho, mesmo que duro. Ter uma voz para tranquilizar duas da madrugada, quando você liga chorando ou reclamando da vida. Se ser amigo fosse fácil, não haveria tantos inimigos no mundo... Por que com tantas diferenças entre as pessoas, é penoso tentar encontrar algo em comum. Mas você aprende com a vida que basta procurar.Amigo, afinal, é a segunda família que você pôde escolher.Já diziam os sábios, não conta-se os amigos nos dias bons, mas sim na tragédia. 
Lorem Krsna

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

O outro lado da meia-noite



Que eu amo ler quem me conhece sabe. Desde que li meu primeiro livro, aprendi que aquela era uma passagem mágica para mundos que de outro modo estavam além do meu alcance. Com o tempo passei também a escrever minhas  as próprias histórias, e uma nova porta se abriu.
Dentre os autores que mais fazem parte de minha vida, o principal, o grande mestre é Sidney Sheldon, com suas heroínas tão humanas e suas tramas de suspense que surpreendem até o final, que nos fazem amar personagens  e odiá-los  como se fizessem parte de nossa vida.
E foi através dos livros de Sidney Sheldon que encontrei uma personagem que me surpreendeu, por me ver totalmente nela, coisa que nunca acontecera. O livro é o outro lado da meia-noite, o presente bem-vindo e considerado por muitos uma  das grandes obras de um autor que recebeu os três mais cobiçados prêmios da indústria cultural americana: o Oscar, o Tony e o Edgar.
Sidney Sheldon tem uma maneira de escrever tão incrível por que escapa do óbvio, do comum. Ele inicia a trama com parte do desfecho, para então voltar no decorrer do livro e apresentar aos leitores como a trama chegou aquele ponto. E no  decorrer da leitura você acaba mudando de opinião sobre os personagens, sendo que aquele que no inicio você amava, antes do fim o odeia. não há mocinhos, nem violões. Há pessoas. 
Passando ao livro, a trama trás algo comum em histórias, mas trazida de uma maneira incomum: um triângulo amoroso. Seus lados São o piloto Larry Douglas, a vingativa atriz Noelle Page e a talentosa Catherine Alexander.
As vidas de Noelle e Catherine são apresentadas em ao mesmo tempo até se cruzarem em um mesmo ponto: Larry Douglas. 
Uma história sobre vingança, jogos e justiça. 
A personagem com quem me identifiquei foi com Catherine, de tal maneira que me vi realmente vivendo situações semelhantes à dela. E só para variar, é justo a personagem que morre ¬¬
Recomendo o livro, todos os livros sobre o autor. Atualmente estou lendo sua biografia, o outro lado de mim, e fiquei ainda mais fascinada.
Obras para ler e reler. 
Logo mais postarei sore outros livros do autor que marcaram minha vida.

Lorem Krsna

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Só algumas vezes na vida


"Algumas vezes na vida...Você acorda e vê que algo mudou
Percebe que certas coisas, já não são tão importantes
E que antes você se importou.
Você se da conta que o príncipe encantado não vem
Mas que a bruxa está solta
Que ser chamada de “boazinha" não é legal
E que antes não se dava conta.
É sempre assim? Quando a gente acorda do felizes para sempre, e se vê tão perdida...
A verdade é que nada mudou desde a era da pedra.
Somos o que fomos, e seremos o que era.
E você só percebe isso algumas vezes na vida..."


lorem Krsna

Espectros de sonhos

"Sim, esses espectros correm a noite,
De sonhos mortos e apagados
Carregamos o peso da desilusão
que verga esses ombros cansados.
Sonhos tambem envelhecem.
Morrem e são enterrados."


Lorem Krsna

Vasculhe

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...